24 de maio de 2016

VEREADOR CAICOENSE É ACUSADO POR EX-ASSESSOR DE DESVIOS NA VERBA DE GABINETE

O vereador da cidade de Caicó, Ivanildo dos Santos, conhecido também como ( Ivanildo do Hospital ), foi acusado nas redes sociais por seu ex-assessor, Felipe Costa, nesta terça-feira, de ter aberto uma empresa de fachada em nome da própria noiva para desviar os recursos que recebe da Câmara Municipal como a verba de gabinete.

Felipe chegou a dizer que a noiva de Ivanildo não queria aceitar a prática, que supostamente se configurou como suposta lavagem de dinheiro.
O ex-assessor postou uma nota fiscal da empresa, no valor de R$ 2.800,00, mas segundo Felipe, o valor final acabava sendo embolsado por Ivanildo. “Não passa de uma lavagem de dinheiro. A referida empresa ou prestadora de serviço é da noiva do vereador Ivanildo, e também digo e afirmo, que a mesma nunca foi de acordo com a criação dessa empresa.

Felipe disse também que o endereço da empresa, é o endereço residencial da noiva do vereador que fica localizada no bairro Alto da Boa Vista de Caicó. Pode sair perguntando se a população ou os vizinhos tem conhecimento do funcionamento dessa empresa? Uma coisa eu afirmo; Eu Felipe Costa, não estou, e nunca disse inverdades a cerca desse assunto.” Felipe disse também que a denúncia foi apresentada ao Ministério Público de Caicó.

CÂMARA MUNICIPAL DE CAICÓ IRÁ APURAR DENÚNCIA CONTRA VEREADOR IVANILDO

O presidente da Câmara Municipal de Caicó, vereador Nildson Dantas utilizou de suas redes sociais para informar que está tomando a devida procedência para averiguar a acusação formulada ao vereador Ivanildo que é acusado de está se apropriando da verba indenizatória de gabinete de maneira indevida.

Como Presidente do Legislativo tenho que agir nesse caso com muito equilíbrio, existe a denúncia que é grave, isso é fato. Já determinei a assessoria jurídica da Casa, averiguar a situação para verificar internamente a procedência da denúncia e providências cabíveis.

Sabemos do relacionamento não amistoso envolvendo o ex-assessor Felipe e Ivanildo e para não cometer injustiças deveremos ser imparciais, mas afirmo que não compactuamos com qualquer tipo de irregularidade, Como também não irei agir como juiz. A verba indenizatória é destinada a manutenção dos gabinetes, e de responsabilidade do chefe de gabinete que gerencia esses recursos, postou Nildson.

MÉDICO DO SAMU ATIROU EM OUTRO E DEPOIS SE MATOU NA UNIDADE DE PIRACICABA-SP

Um médico atirou em outro e depois se matou dentro da central do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Piracicaba (SP) na manhã desta terça-feira (24).

O crime aconteceu por volta das 11h no refeitório da unidade, que fica na Avenida Doutor Paulo de Moraes, na região do bairro Paulista. O médico baleado morreu no local. O atirador foi socorrido, mas chegou sem vida ao hospital.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, Jorel Bottene tinha 52 anos, era clínico geral e não estava na escala de trabalho desta terça. Ele chegou à unidade do Samu e atirou quatro vezes contra Deives Dias de Oliveira, de 40 anos, que era coordenador da Central de Vagas do Sistema Único de Saúde (SUS) de Piracicaba.

Os tiros atingiram Oliveira em uma das pernas, no tórax, no abdômen e na cabeça, conforme a secretaria. Em seguida, ainda segundo a pasta, Bottene atirou contra o próprio peito. Ele foi levado pelos colegas de Samu até a Santa Casa da cidade, mas morreu a caminho do hospital.

As polícias Militar e Civil foram ao local. Ainda não foram divulgados mais detalhes sobre o motivo do crime, apenas que Bottene era subordinado à vítima no serviço.

CRESCIMENTO DA FROTA DE VEÍCULOS DO RN DESACELERA, APONTA DETRAN

De acordo com informações concedidas pelo setor de Estatística do Detran, a frota de veículos do Estado continua em crescimento, porém a velocidade vem sendo atenuada nos últimos meses.

A informação é constatada pelos números referentes ao levantamento de veículos zero quilômetro que foram emplacados no Rio Grande do Norte no primeiro quadrimestre deste ano quando comparado aos registrados no mesmo período do ano passado.

A análise mostra que em 2016 (janeiro a abril) 14.064 veículos novos entraram na frota estadual, enquanto no mesmo espaço de tempo de 2015 o dado alcançou o número de 19.556 automóveis, o que reflete uma redução de 5.491 veículos, ou seja, 28,1% menos do que em 2015.

O documento estatístico também analisou no mesmo período a entrada de veículos zero quilômetro fatiando o estado entre a capital e os municípios do interior do Rio Grande do Norte. Nesse sentido, em números absolutos Natal contou em 2016 com um acréscimo de 5.345 automóveis, porém o dado é menor do que em 2015, que contabilizou 7.131 novos veículos. No comparativo entre o quadrimestre dos dois anos a redução na capital potiguar foi de 1.786 carros, refletindo um percentual de crescimento 25% menor.

FAROL BAIXO DURANTE O DIA PASSA A SER OBRIGATÓRIO EM RODOVIAS BRASILEIRAS

O presidente interino Michel Temer alterou artigos do Código de Trânsito Brasileiro tonando obrigatório o uso de farol baixo em rodovias durante o dia.

A lei com as alterações foi publicada hoje (23) no Diário Oficial da União.

Manter os faróis acesos em luz baixa durante o dia já era medida obrigatória a ônibus, ao circularem em faixas próprias, e às motos. O condutor que não mantiver o farol baixo ligado em rodovias cometerá infração média, poderá ser autuado e receber quatro pontos na habilitação, além de multa de R$ 85,13. 

PRF REFORÇA FISCALIZAÇÃO NO RN NA 'OPERAÇÃO CORPUS CHRISTI' DE QUARTA À DOMINGO

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) deflagra em todo o país nesta quarta-feira (24) a 'Operação Corpus Christi'. No Rio Grande do Norte, a fiscalização também será reforçada nas principais rodovias do estado.

A ação, que segue até este domingo (28), deverá intensificar o policiamento em trechos de BRs que cortam o território potiguar. 


Durante o período que contempla o feriado religioso, policiais rodoviários federais estarão posicionados em pontos estratégicos das BRs, definidos a partir do levantamento dos dias, locais e horários de maior incidência de acidentes graves.

O foco da fiscalização se mantém, como em operações anteriores, em ações preventivas para a redução dos índices letalidade nas rodovias federais. Comportamentos como o não uso do capacete, ultrapassagens indevidas, excesso de velocidade e embriaguez ao volante serão alvo das fiscalizações dos agentes da PRF.

Neste mês, a PRF trabalha com a campanha internacional denominda de "Maio Amarelo". A iniciativa busca com atividades, como palestras, chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo.

Farol baixo
O presidente interino Michel Temer alterou artigos do Código de Trânsito Brasileiro tonando obrigatório o uso de farol baixo em rodovias durante o dia. Manter os faróis acesos em luz baixa durante o dia já era medida obrigatória a ônibus, ao circularem em faixas próprias, e às motos. O condutor que não mantiver o farol baixo ligado em rodovias cometerá infração média, poderá ser autuado e receber quatro pontos na habilitação, além de multa de R$ 85,13.

STF SÓ TEM UMA SAÍDA: ANULAR O IMPEACHMENT

No dia 11 de maio deste ano, o então ministro José Eduardo Cardozo tentou uma liminar para suspender o impeachment da presidente Dilma Rousseff, alegando que o então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), havia agido com "desvio de finalidade" ao abrir o processo.

Seu objetivo seria promover uma troca de governo para que pudesse se safar da Lava Jato, alegava Cardozo. Teori negou a liminar, apontando que não seria possível comprovar as motivações de Cunha naquele instante. A questão seria, portanto, de natureza subjetiva. No entanto, nesta segunda-feira, o que era subjetivo se tornou cristalinamente objetivo.

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), um dos braços direitos do presidente interino Michel Temer, confessou que o impeachment nada mais foi do que uma tentativa de uma elite corrupta de deter a Lava Jato.

Para "parar essa porra" e "estancar a sangria", seria preciso retirar a presidente Dilma Rousseff do poder, colocando no poder o vice-presidente Michel Temer e o mais grave, segundo Jucá, é que esse acordão envolveria até integrantes do Supremo Tribunal Federal.

Agora, diante dessa bomba atômica, os integrantes têm uma única saída: anular um processo de impeachment aberto na Câmara por razões espúrias e aprovado no Senado para deter a Lava Jato, num escândalo que envergonha o Brasil diante do mundo.
 

MICHEL TEMER ANUNCIOU MEDIDAS PARA CONTER OS GASTOS PÚBLICOS E TENTAR EQUILIBRAR AS CONTAS DO GOVERNO

Um dia depois de perder seu ministro do Planejamento, que revelou a conspiração por trás do afastamento da presidente Dilma Rousseff, o presidente interino Michel Temer anunciou uma série de medidas para conter os gastos públicos e tentar equilibrar as contas do governo.

Entre elas estão a extinção do Fundo Soberano, criado há oito anos e com caixa de R$ 2 bilhões; "É uma coisa paralisada [recursos do fundo soberano]. Vamos trazer esses R$ 2 bilhões para cobrir o endividamento do país", disse Temer; ao anunciar seu apoio à abertura do pré-sal, ele afirmou que sofrerá críticas e disse estar pronto para ser presidente, porque já foi secretário de Segurança Pública de São Paulo, onde soube "lidar com bandidos."

ÁUDIOS DE JUCÁ CONSOLIDAM GOLPE NA MÍDIA GLOBAL


As principais publicações internacionais destacam o escândalo da conversa gravada entre o ex-ministro do Planejamento Romero Jucá e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado sugerindo uma conspiração contra Dilma Rousseff com o objetivo de deter investigações da Lava Jato.

O NYT diz que as novas acusações engrossam a tese do golpe no processo contra presidente em curso no Senado; o Guardian fala em “complô” contra Dilma e diz que as revelações prejudicam a credibilidade do governo interino liderado por Michel Temer.

Já o Independent questiona o suposto apoio de militares e de ministros da Suprema Corte no esquema; o jornalista Glenn Greenwald, do Intercept, também afirma que as transcrições contêm "duas revelações extraordinárias que podem levar toda a imprensa a considerar seriamente chamar o que aconteceu no País de 'golpe.'

GILMAR NÃO VIU NADA DEMAIS NAS FALAS DE JUCÁ

Um dia depois do afastamento de Romero Jucá, que caiu após vazarem os áudios em que ele trata o impeachment como uma manobra para deter a Lava Jato e "estancar essa sangria", num acordão que envolveria até integrantes do Supremo Tribunal Federal, o ministro Gilmar Mendes foi o primeiro a falar e minimizou o caso.

"Não vi isso", disse ele, ao ser questionado sobre eventual tentativa de obstrução da Justiça; ele, no entanto, admitiu ter bom relacionamento com o ministro licenciado; "Sou uma pessoa que tenho bom relacionamento com o Jucá desde o governo Fernando Henrique e ele nunca me procurou sobre isso".

Nos diálogos com Sergio Machado, Jucá disse ter falado com vários ministros do STF, afirmando ainda que só seria possível conter o avanço da Lava Jato se a presidente Dilma Rousseff fosse afastada do cargo.

DEFLAGRADA A 30.ª FASE DA OPERAÇÃO DA LAVA JATO

A 30.ª fase da Operação da Lava Jato, deflagrada nesta terça-feira, 24 de maio, revela a extensão do esquema de corrupção em mais um segmento da Diretoria de Serviços e Engenharia da Petrobras.

Os alvos dessa fase são grandes empresas fornecedoras de tubos para a estatal, incluindo alguns de seus executivos e sócios, um escritório de advocacia utilizado para o repasse de dinheiro, dois funcionários da Petrobras e operadores financeiros. No total foram expedidos dois mandados de prisão preventiva, nove mandados de condução coercitiva e 16 mandados de busca e apreensão.

As investigações identificaram que uma construtora de fachada foi utilizada para viabilizar o pagamento de propina em diversos esquemas criminosos investigados na Operação Lava Jato, mediante a celebração de contratos ideologicamente falsos.

Os fatos foram apontados inicialmente por réus colaboradores, que também pagaram propina à Diretoria de Serviços da Petrobras por meio da empresa investigada. O aprofundamento das investigações, com o auxílio da Receita Federal, da Polícia Federal, da Petrobras e do escritório de investigação autônoma contratado pela estatal, levou à confirmação de que a propina tinha origem em uma grande fornecedora de tubos para a Petrobras. Os sócios da construtora de fachada tiveram sua prisão preventiva decretada pelo Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Outra grande fornecedora de tubos para a Petrobras também é alvo da operação realizada nesta data, em razão de fortes suspeitas de que tenham pago propina a partir de seus contratos na Diretoria de Serviços. Para ocultar os rastros da propina, a empresa utilizou-se de transferências no exterior para uma offshore controlada por operador financeiro.

Há fortes indicativos da participação do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, e do ex-diretor de Engenharia da Petrobras, Renato Duque, nos ilícitos. Ambos foram recentemente condenados pelo Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba, no âmbito da ação penal, vinculada à Operação Lava Jato, a penas de 23 anos e 10 anos de prisão, respectivamente. Renato Duque também já foi condenado em outras 02 ações penais, de modo que a totalização de suas penas hoje soma o montante de 50 anos, 11 meses e 10 dias de prisão.

Dois funcionários da Diretoria de Serviços da Petrobras também são alvos de condução coercitiva, em razão da existência de indícios de seu envolvimento nos fatos. Os contratos já celebrados pela Petrobras com duas das fornecedoras de tubos que efetuaram pagamentos de vantagens ilícitas para obter vantagens junto à Diretoria de Serviços da Estatal totalizam montante superior a R$ 5 bilhões.

Evidências denotam que o pagamento de propinas no interesse desse esquema criminoso perdurou pelo menos entre os anos de 2009 e 2013, sendo que os valores espúrios pagos, no Brasil e no exterior, superam a quantia de R$ 40 milhões.

TEMER ANUNCIA MEDIDAS PARA REATIVAR ECONOMIA

O presidente interino, Michel Temer, anunciou nesta terça-feira as primeiras medidas para reativar a economia do país, que se encaminha para a pior recessão em um século.

Entre os planos do governo está a antecipação do pagamento da dívida do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de pelo menos R$ 100 bilhões, ao Tesouro Nacional e uma reforma constitucional para estabelecer um teto no crescimento dos gastos do setor público.

Temer, que assumiu no dia 12 de maio, após o afastamento da presidente Dilma Rousseff, tenta demonstrar firmeza em sua gestão, em meio às dificuldades políticas e econômicas.

"Quero enfatizar que não é em prazo de 12 dias ou dois meses que se vai tirar o Brasil da crise", alertou o presidente interino ao apresentar as medidas de ajuste aos líderes do Congresso, que darão a última palavra para que várias das medidas saiam do papel.

O governo interino já havia previsto na sexta-feira que o Brasil teria um enorme déficit primário neste ano, bem acima do que foi estimado durante a gestão de Dilma Rousseff. O déficit foi estimado agora em 163,942 bilhões de reais, enquanto o governo da presidente Dilma Rousseff previa um rombo menor, de 96 bilhões de reais.

A nova meta fiscal será discutida nesta terça-feira pelo Congresso.Caso a estimativa se concretize, este será o terceiro ano consecutivo de déficit fiscal.

Temer ressaltou que seu governo está trabalhando com o objetivo central de retomar o crescimento econômico do país, reduzir o desemprego e para levar aqueles que estão na pobreza absoluta para a classe média.Temer aproveitou a ocasião para rebater os questionamentos sobre a legitimidade de seu governo.

ROMERO JUCÁ PEDE AFASTAMENTO APÓS VAZAMENTO DE ÁUDIOS

Após vazamento de áudios no qual é acusado de planejar o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, o ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), pediu afastamento do cargo. O anúncio foi feito em coletiva nesta segunda-feira (23).

A justificativa para pedir o afastamento é, segundo próprio Jucá, que o caso poderia afetar prejudicialmente o novo governo. O ministro do Planejamento tem sido um dos homens fortes da gestão interina de Michel Temer.

Nesta terça-feira (24), quando o afastamento começará a valer, o Congresso votará a revisão de meta fiscal apresentada pelo novo governo. Nela, a previsão é de um déficit de R$ 170,5 bilhões.

Além de falar sobre as suas justificativas, o ministro do Planejamento afirmou novamente que “não deve nada a ninguém”. Revelados pela Folha de S.Paulo, os áudios mostram conversa entre Jucá e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Nela, sugere “pacto” para tentar barrar a Lava Jato.

23 de maio de 2016

TEMER VAI AO CONGRESSO ENTREGAR PROPOSTA DE META FISCAL REVISADA

O presidente interino Michel Temer vai hoje (23) ao Congresso Nacional entregar pessoalmente a proposta da nova meta fiscal para este ano, com previsão de déficit de R$ 170,5 bilhões. O encontro com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), está previsto para as 16h.

A nova proposta precisa ser aprovada até o final de maio, sob o risco de paralisar o funcionamento da máquina pública. Há expectativa de que a votação da nova meta ocorra até quarta-feira (25). A equipe econômica da presidenta afastada Dilma Rousseff pediu autorização ao Congresso para um déficit primário de R$ 96,6 bilhões este ano.

A decisão de ir ao Congresso foi tomada na sexta-feira (20) por Temer na tentativa de demonstrar respeito ao Legislativo, a quem cabe votar a nova meta, e sensibilizar os parlamentares sobre a necessidade da aprovação de medidas econômicas importantes para o novo governo, a começar pela meta fiscal.

Para amanhã (24), está prevista uma entrevista coletiva de Temer, a primeira desde que assumiu a Presidência da República. O objetivo, segundo o Palácio do Planalto, é apresentar ao país uma análise “realista” dos números que recebeu da gestão da presidenta afastada Dilma Rousseff e fazer o anúncio de medidas econômicas.

MEIRELLES DIZ QUE ANUNCIA AMANHÃ MEDIDAS PARA REDUÇÃO DO GASTO PÚBLICO

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje (23) que o governo vai anunciar uma série de medidas focadas na redução do gasto público.

“A ideia é um plano de voo, com medidas que tenham efeitos plurianuais e impactos permanentes. Não estamos focando apenas no resultado deste ano”, disse, em discurso proferido durante seminário promovido pela revista Veja, em São Paulo.

O plano, que envolverá ações que dependem da aprovação do Congresso Nacional, deverá ser anunciado amanhã (24), segundo o ministro. “Estamos dando uma linha que, sendo aprovada pelo Congresso, nós tenhamos uma grande segurança”, ressaltou, sobre as medidas que visam reduzir o déficit público e retomar o crescimento econômico.

“Esperamos que haja um fortalecimento, uma volta da confiança das famílias e dos empresários, que se dará em uma retomada das atividades, do emprego, do investimento e, por consequência, da arrecadação tributária”, acrescentou.

EM REPRESENTAÇÃO À PGR, PSOL PEDIRÁ PRISÃO DE JUCÁ

O PSOL vai protocolar nesta segunda-feira (23) representação contra o ministro do Planejamento, Romero Jucá, na Procuradoria-Geral da República e pedirá a prisão do peemedebista por obstrução da Justiça. O pedido será encaminhado à tarde pela bancada do partido na Câmara.

Reportagem publicada pelo jornal Folha de S.Paulo nesta segunda mostra trechos de uma gravação feita pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado na qual Jucá sugere fazer um pacto para obstruir a Operação Lava Jato e diz que é preciso "estancar" a sangria.Tanto Machado quanto Jucá são investigados por corrupção na Petrobras pela Operação Lava Jato.

JUCÁ DEVE SER A PRIMEIRA BAIXA NO GOVERNO TEMER

O presidente interino Michel Temer deve confirmar, nas próximas horas, a primeira demissão de seu governo provisório; flagrado em gravações impróprias, em que discutia como deter a Lava Jato, Romero Jucá deve ser defenestrado do Planejamento.

Investigado na operação, Jucá já teve pedidos de quebra de sigilos bancário e fiscal deferidos pelo Supremo Tribunal Federal; sua queda será um duro revés para Temer, uma vez que Jucá, especialista em orçamento, teria papel decisivo na aprovação da nova meta fiscal; Jucá também deixou claro que o impeachment foi uma tentativa da elite política de conter os danos causados pela Lava Jato; "Tem que resolver essa porra. Tem que mudar o governo para estancar essa sangria", afirmou.

Em entrevista ao jornalista Jorge Bastos Moreno, com quem mantém relações mais próximas, o presidente interino Michel Temer afirmou que se as explicações de Romero Jucá não forem convincentes, ele mesmo se demitirá.

Como as gravações do ministro provisório com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado não deixam dúvida de que ele tratou o impeachment como uma operação para frear a Lava Jato, na qual ele é investigado, Jucá dificilmente conseguirá escapar da degola; "É preciso dar ao ministro Jucá o direito de defesa", defendeu ainda Temer.

GRAVAÇÃO COM JUCÁ REVELA QUE IMPEACHMENT FOI PACTO PARA DETER A LAVA JATO

Em diálogos gravados em março, semanas antes da votação na Câmara que desencadeou o impeachment da presidente Dilma Rousseff, o ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), sugeriu ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que uma "mudança" no governo federal resultaria em um pacto para "estancar a sangria" representada pela Operação Lava Jato, que investiga ambos;"Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra.

Tem que mudar o governo para estancar essa sangria", diz Jucá; ele fala em construir um pacto nacional "com o Supremo, com tudo"; Machado concorda: "aí parava tudo"; eles disseram ainda que a operação era uma ameaça tanto para PMDB como para o PSDB e que o único empecilho era o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), porque odiaria Cunha: "Michel é Eduardo Cunha"; diálogo parece confirmar a tese do escritor Miguel Sousa Tavares de que o impeachment foi uma "assembleia de bandidos, presidida por um bandido, para afastar uma mulher honesta."

OBSTRUÇÃO DE JUCÁ É MAIS GRAVE QUE A DE DELCÍDIO

O ex-senador Delcídio Amaral foi preso e perdeu o mandato porque tentou melar uma única delação da Lava Jato: a de Nestor Cerveró.

O senador e ministro Romero Jucá foi bem mais audacioso e tentou melar a operação inteira; enquanto a tentativa de obstruir a Justiça de Delcídio envolvia um acordo financeiro para pagar uma mesada à família de Cerveró, a de Jucá envolvia o "roubo" de 54 milhões de votos com a aprovação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, que não travava as investigações; segundo Jucá, só um novo governo, liderado por Michel Temer, seria capaz de "parar essa porra" e "estancar a sangria"; o mais grave, na conversa de Jucá, é ele ter dito que o acordão envolvia ministros do próprio Supremo Tribunal Federal

O áudio divulgado nesta segunda-feira revelando que o ministro Romero Jucá tentou "estancar" a Lava Jato com a troca de governo demonstra "a verdadeira razão do golpe"; gravação, "é um escândalo, é uma vergonha, é um produto do governo golpista de Eduardo Cunha, Michel Temer e Romero Jucá"; "E algo que precisamos imediatamente exigir: a demissão de Romero Jucá e a investigação da relação de Michel Temer com esse diálogo."

JUCÁ DERRUBA DISCURSO DO IMPEACHMENT E ESCANCARA RAZÕES DO GOLPE

A política é feita em cima de discursos públicos mas é decidida nas falas privadas.

O que aparece na transcrição da conversa gravada entre o ministro do Planejamento, Romero Jucá, e o ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, são as verdadeiras motivações para o processo de impeachment, nas confissões de um de seus mais importantes articuladores: Dilma tinha que ser afastada para possibilitar um acordão que interrompesse a marcha da Lava Jato sobre a podre elite política do país.

Se Dilma foi afastada com este objetivo, e não porque cometeu pedaladas fiscais, foi golpe. Temer não tem condições de manter Jucá em seu governo. Vai cair a primeira pedra do jogo armado. E continua faltando a palavra do STF, envolvido na conversa como cúmplice da operação "para deter a sangria".

Foi Jucá que comandou o movimento decisivo para a movimentação da engrenagem que permitiu a votação na Câmara, o desembarque do PMDB. Foi ele, como presidente em exercício do partido, que declarou: “neste dia histórico para o PMDB, o partido deixa o governo Dilma Rousseff”. E na plateia, gritos de “fora, PT”. Foi ele a ponte entre o bloco de Cunha na Câmara e o então vice-presidente Michel Temer, convencendo-o de que se tornaria o presidente da restauração política, obtendo o sinal verde para colocar a engrenagem em marcha.

Premiado com o Ministério do Planejamento, não por acaso a pasta que comanda o Orçamento, Jucá será demitido por Temer na primeira quinzena de governo? Supremo e PGR ficarão inertes diante das evidências de que o impeachment foi a mais sofisticada operação de “obstrução da Justiça”? Quando Cardozo apontar o desvio de finalidade do próprio processo, o que dirão os homens do Supremo?

As falas privadas desmentem frontalmente o discurso público do impeachment e deixam claríssimo que houve a decisão de descartar o mandato da presidente para permitir a fuga dos verdadeiramente culpados.

TEMER: E A PRIMEIRA CRISE DO SEU GOVERNO

Empossado há 12 dias, o governo do presidente interino Michel Temer (PMDB) vive nesta segunda-feira 23 sua primeira grande crise, com a divulgação de gravações entre seu ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), e um dos alvos iniciais da Operação Lava Jato, Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro, importante subsidiária da Petrobras.

Entre os muitos detalhes dos áudios, divulgados pelo jornal Folha de S.Paulo, surge uma indicação de que o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT) era parte de uma estratégia para barrar as investigações da Lava Jato. Em entrevistas concedidas nesta segunda-feira, Jucá, que foi um dos principais articuladores do impeachment, nega que suas falas contivessem referências à Lava Jato.

Qual é a origem das gravações entre Jucá e Sergio Machado?

Na reportagem publicada nesta segunda-feira, a Folha de S.Paulo não informa a origem dos áudios. O jornal diz apenas que as conversas, feitas em março, somam 1h15min e estão em poder da Procuradoria-Geral da República.

Segundo informações de jornalistas do canal GloboNews e da revista Veja, as gravações teriam sido feitas por Sergio Machado e seriam parte de um acordo de delação premiada negociado entre o ex-presidente da Transpetro e a força-tarefa da Lava Jato.

Quem é Sergio Machado?

Machado foi presidente da Transpetro entre 2003 e novembro de 2014, quando se tornou a primeira vítima da Lava Jato e acabou demitido. Ele foi indicado para o cargo pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), mas é apontado como operador do PMDB na estatal.

Qual é a parte mais importante dos áudios?

O trecho mais relevante das gravações mostra Jucá e Machado dialogando a respeito da possibilidade de muitos investigados na Lava Jato realizarem delações premiadas depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, em fevereiro, tornar efetivas as sentenças de prisões a partir de decisões de segunda instância.

A dupla conversa sobre acordos de delação de grandes empreiteiras, como a Queiroz Galvão, a Camargo Corrêa e a Odebrecht, que faria uma delação "seletiva", segundo Jucá, e o então senador, agora ministro, afirma que a forma de "estancar a sangria" é "mudar o governo".

22 de maio de 2016

TEMER NÃO PRETENDE DEMITIR JUCÁ

Investigado na Lava Jato e alvo de uma nova denúncia de corrupção a cada dia, o ministro do Planejamento, Romero Jucá, não precisa se preocupar com sua vaga no governo Michel Temer.

Isso porque o presidente interino não pretende demiti-lo, apesar da pressão política, informa neste domingo a Coluna do Estadão, assinada pelos jornalistas Andreza Matais e Marcelo de Moraes.

Na última semana, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu investigação contra Jucá e o STF autorizou a quebra de seus sigilos bancário e fiscal, em casos diferentes de denúncia de recebimento de propina. A situação no Planalto só deve mudar, porém, se o ministro for condenado pelo Supremo Tribunal Federal. Enquanto isso, a ordem no governo do PMDB é prestigiar o aliado.

NOVA PAUTA DE TEMER: FLEXIBILIZAR JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIOS

Não bastasse a reforma da Previdência, o governo do presidente interino, Michel Temer, já cogita colocar em pauta a ainda mais polêmica reforma trabalhista, com negociações coletivas de jornada de trabalho e salários.

Segundo reportagem do jornal O Globo deste domingo, estaria sendo cogitada a flexibilização da CLT, a partir de acordos coletivos, a fim de aumentar a produtividade econômica e diminuir os custos de investimentos dos empresários.

Os direitos previstos na Constituição serão assegurados, porém, não da mesma forma. "Dessa forma, FGTS, férias, previdência social, 13º salário e licença-maternidade, entre outros, continuarão existindo obrigatoriamente, mas serão flexibilizados", diz a matéria.

PARA 66%, DEPUTADOS DISSERAM ‘SIM’ AO GOLPE “EM BENEFÍCIO PRÓPRIO”

Pesquisa inédita realizada pelo Ibope entre os dias 12 e 16 de maio em todo o Brasil revela que apenas 23% dos entrevistados consideraram que os deputados federais atuaram "em benefício dos interesses do País" ao dizer 'sim' ao processo de impeachment no dia 17 de abril.

Por outro lado, 66% dos brasileiros acreditam que os parlamentares trabalharam, naquele domingo, "em benefício próprio ou de interesses dos partidos e instituições privadas".

O restante não respondeu, não sabia ou disse "ambos", de acordo com os números divulgados pelo jornalista Lauro Jardim em sua coluna do Globo neste domingo. Levantamento comprova que o discurso contra a corrupção, pregado pela então oposição ao governo Dilma, não colou entre os eleitores.

NINGUÉM ACERTOU OS SEIS NÚMEROS DO SORTEIO 1820 DA MEGA SENA

Confira os seis números do concurso 1820 da Mega-Sena, realizado neste sábado (21/05), no Espaço CAIXA Loterias, no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo (SP).

Os números sorteados foram: 3 - 19 - 23 - 27 - 40 - 45.

 
O concurso deve pagar R$ 33 milhões. A quina quem acertou 5 números vai pagar R$ 17.522,94 a cada uma das 182 apostas ganhadoras. Já a quadra teve 9.333 apostas ganhadoras e cada uma receberá R$ 488,15.