28 de março de 2017

BANDIDOS ASSALTAM CLÍNICA DO MÉDICO SALVADOR SANTOS EM CAICÓ

Bandidos não dão trégua em Caicó. Por volta das 15:00h, desta terça-feira, a Clínica de Oftalmológica de Caicó do médico Salvador Santos foi o alvo dos bandidos em pleno Centro da Cidade.

Salvador é irmão do ex-prefeito, Silvio Santos, e é também ex-secretário de saúde de Caicó. Os bandidos chegaram a Clínica rederam funcionários e todas pessoas que aguardam uma consulta Oftalmológica e também o próprio médico e a sua atendente.

Prenderam os pacientes no banheiro da recepção e ainda entraram no consultório do médico, lhe rendendo e também o paciente, obrigando-os a ficarem com o rosto ao chão, sob a mira de um revólver.

Cerca de uma hora antes, outros dois marginais faziam um assalto no Bairro de Barra Nova, na farmácia Barra Nova, na zona Oeste da Cidade. Nos dois casos os envolvidos fugiram sem deixar pista para polícia. Ninguém foi preso.

PARA EVITAR SER CASSADO, TEMER FARÁ CHICANAS NOS TRIBUNAIS SUPERIORES

Com indícios cada vez mais claros de que poderá ter o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Michel Temer já mobilizou advogados para deflagrar uma chicana, estratégia jurídica para arrastar o desfecho do caso para o ano que vem.

"Crescerá a pressão sobre o Poder Judiciário para que não casse o presidente" é uma das teses da defesa de Temer, ao argumentar que sua saída causaria uma nova instabilidade política no país, como se o Brasil vivesse a plena estabilidade de sua democracia; caso o peemedebista seja cassado pelo TSE, a ideia é ingressar com recursos tanto na Corte Eleitoral como no STF, empurrando uma decisão final para a véspera da sucessão eleitoral, em 2018.

SOB PRESSÃO, TEMER SINALIZA RECUO NA APOSENTADORIA RURAL

Diante da pressão popular e de governadores do Norte e Nordeste por conta da inclusão da aposentadoria rural na proposta de reforma da Previdência, Michel Temer discutiu com membros da base aliada um abrandamento da questão, considerada um dos entraves para a aprovação do projeto.

Este seria o segundo recuo de Temer em relação à reforma da Previdência, já que ele repassou para estados e municípios a decisão dos servidores públicos serem incluídos no projeto; "O presidente está disposto a dialogar para não ferir os princípios da reforma", disse o deputado Danilo Forte (PSB-CE).

DIRCEU ATACA TEMER E PEDE LUTA POR ELEIÇÕES JÁ

Ex-ministro José Dirceu, que está preso no centro de detenção em São José dos Pinhais, escreveu artigo com duras críticas ao governo de Michel Temer; em texto enviado ao jornalista Breno Altman, Dirceu critica a investida contra os direitos dos trabalhadores e as despesas astronômicas do governo com os juros da dívida; "O governo faz tudo para implantar a agenda da regressão, da supressão dos direitos sociais e dos trabalhadores: a PEC dos Gastos, a Reforma da Previdência, a terceirização da mão de obra. No entanto, nem uma palavra sobre os gastos com a dívida interna e as despesas financeiras, os juros médios de 14%, os juros da dívida de 4,5% na melhor das hipóteses, 7,5% nos piores anos!", afirma; "Vamos buscar, encontrar, abraçar a corrente humana de brasileiros que apoiam Lula e seu legado, que querem eleições já! Vamos à luta."

CONTA DE LUZ CAIRÁ ATÉ 20% EM ABRIL POR COBRANÇA INDEVIDA DE ANGRA 3

A conta de luz do consumidor em todo o País vai cair até 20% em abril, por conta da devolução de uma cobrança indevida de energia atrelada à usina nuclear de Angra 3.

A decisão anunciada nesta terça-feira (28/3), pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) atinge todas as distribuidoras de energia, com exceção de apenas três empresas, a Sulgipe, a Companhia Energética de Roraima e a Boa Vista Energia.

A queda ocorrerá apenas no mês de abril. Com a decisão, a conta de luz do consumidor residencial da Eletropaulo, de São Paulo, cairá 12,44%. No caso da Light, do Rio de Janeiro, a queda será de 5,3%.

A Cemig, de Minas Gerais, vai cortar em 10,61% a sua tarifa de abril. A CEB, de Brasília, terá redução de 5,92%. A queda varia entre cada uma das distribuidoras por conta dos diferentes prazos de cobrança da energia de Angra 3.

Pela decisão, a conta cobrada por sete distribuidoras do País vai cair de 15% a 20%. São elas: Celpe, Coelba, Cosern, CPFL Jaguari, CPFL Paulista, Energisa Borborema e Energisa Sergipe.

Outras 22 empresas apresentarão queda de 10% a 15%. Para 29 distribuidoras, a redução será de 5% a 10%. As demais 32 distribuidoras apresentarão um corte entre 0% e 5%. A decisão atinge 44 concessionárias e 20 permissionárias, todas elas distribuidoras de energia.

STF: ROSA WEBER DÁ CINCO DIAS PARA TEMER SE MANIFESTAR SOBRE ABORTO


A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu cinco dias de prazo para que o presidente da República, Michel Temer, se manifeste na ação que pretende ampliar a legalidade do aborto.

O mesmo prazo foi dado para que o Senado e a Câmara dos Deputados se manifestem. Em seguida, serão dados mais cinco dias para que a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da República (PGR) enviem seus pareceres sobre o pedido.

Depois disso, a ministra deve decidir sobre o pedido de liminar (decisão provisória) feito pelo PSOL e pelo Instituto Anis organização não governamental (ONG) de defesa dos direitos das mulheres – para que sejam suspensas todas as prisões em flagrante, os inquéritos policiais, processos em andamento e efeitos de decisões judiciais que tenham relação com procedimentos abortivos praticados nas 12 primeiras semanas de gestação.

SE A DIREITA APOIA A LAVA JATO, TEM QUE DERRUBAR TEMER

A direita está tão excitada desde que derrubou a presidente Dilma que perdeu totalmente a noção da realidade. Quem entende de protesto é a esquerda, não a direita.

A primeira lição que a direita tem que aprender é que não existe protesto a favor. Ninguém vai. Protesto de massa é protesto contra. Contra a ditadura, contra o aumento do ônibus, contra a Previdência.

Ninguém vai a "protesto" a favor da Lava Jato. Se vocês são a favor da Lava Jato vocês são contra o governo que puseram no lugar da Dilma. Deveriam ter dito claramente: somos contra o governo corrupto de Temer.

Por isso o protesto de vocês do final de semana não funcionou. Foi um protesto de mentira. Vocês não queriam fazer um protesto a favor da Lava Jato e sim contra Temer, mas não tiveram coragem.

Vocês não têm escolha: se vocês amam a Lava Jato vocês têm que derrubar o Temer porque metade do governo dele e metade dos aliados dele são alvos da Lava Jato. E o governo Temer se empenha em acabar com a Lava Jato.

Se vocês querem que a Lava Jato continue não podem querer que Temer continue.Ou vocês derrubam a Lava Jato ou derrubam Temer. Não tem outra opção.

Claro que, mesmo com o rabo entre as pernas ontem vocês arranharam o governo que puseram no poder. Vocês ajudaram a narrativa da esquerda de que Temer e seu grupo assumiram para se safar da Lava Jato.A Lava Jato por incrível que pareça é a maior ameaça ao atual governo.

O governo pode continuar se seus ministros forem cassados, é só nomear outros, mas não pode continuar se metade de seus aliados forem ceifados pela Lava Jato. Sem a maioria que possui hoje, o governo cai. Vocês não podem ser ao mesmo tempo a favor da Lava Jato e a favor do governo Temer. A não ser que vocês sejam esquizofrênicos. Se apoiam a Lava Jato desapoiam Temer; se apoiam Temer, desapoiam a Lava Jato. Decidam-se.

SINDICATOS CONVOCAM GREVE GERAL PARA 28 DE ABRIL

Centrais sindicais que normalmente estão em lados opostos se uniram nesta segunda-feira 27 para decidir a convocação de greve geral dos trabalhadores para o dia 28 de abril contra as reformas que vêm sendo impostas pelo governo Temer.

Um comunicado assinado pelos presidentes da CUT, Vagner Freitas, Força Sindical, Paulinho da Força, UGT, Ricardo Patah, CTB, Adílson Araújo, entre outras centrais, convoca "os trabalhadores a paralisarem suas atividades, como alerta ao governo de que a sociedade e a classe trabalhadora não aceitarão as propostas de reformas da Previdência, Trabalhista e o projeto de Terceirização aprovado pela Câmara, que o governo Temer quer Trabalhista e o projeto de Terceirização aprovado pela Câmara, que o governo Temer quer impor ao País".

"Em nossa opinião, trata-se do desmonte da Previdência Pública e da retirada dos direitos trabalhistas garantidos pela CLT. Por isso, conclamamos todos, neste dia, a demonstrarem o seu descontentamento, ajudando a paralisar o Brasil", diz o texto.

TERCEIRIZAÇÃO DE TEMER FOI APROVADA NO SENADO POR 29 QUE JÁ MORRERAM

O assassinato da Consolidação das Leis do Trabalho e de direitos trabalhistas como férias, décimo-terceiro e FGTS, é obra de Michel Temer e de um Senado em que 29 parlamentares já morreram.

Isso porque a Câmara decidiu retomar um projeto que havia sido aprovado em 1988 no Senado, mas estava engavetado. Na lista, constam nomes como Romeu Tuma, Pedro Piva, Antônio Carlos Magalhães, Artur da Távola e Humberto Lucena.

Temer decidiu aprovar a terceirização radical, que mata a CLT e poderá deixar 75% dos trabalhadores brasileiros sem férias e décimo-terceiro, após ser pressionado por banqueiros e empresários. O Senado pretendia votar uma lei mais branda, mas Temer decidiu obedecer às ordens do capital, porque sabe que não será capaz de entregar a prometida reforma da Previdência.

Confira a lista completa dos mortos que integravam o Senado em 1988 – com a ressalva de que nem todos votaram pela terceirização irrestrita:

1) Abdias Nascimento
2) Albino Boaventura
3) Alexandre Costa
4) Antonio Carlos Magalhães
5) Artur da Távola
6) Bello Parga
7) Beni Veras
8) Carlos Wilson
9) Darcy Ribeiro
10) Djalma Bessa
11) Djalma falcão
12) Élcio Alvares
13) Francisco Benjamin
14) Helio Campos
15) Humberto Lucena
16) Jefferson Peres
17) Jonas Pinheiro
18) Josaphat Marinho
19) José Eduardo Dutra
20) José Saad
21) Lauro Campos
22) Lucídio Portella
23) Ludio Coelho
24) Onofre Quinan
25) Pedro Piva
2) Ramez Tebet
27) Romeu Tuma
28) Ronaldo Cunha Lima
29) Vilson Kleinubing.

PRAZO PARA MUDANÇAS NOS SISTEMAS DE APOSENTADORIA SERÁ DE SEIS MESES

Os Estados e municípios terão seis meses de prazo para promoverem mudanças nos sistemas de aposentadoria dos servidores públicos ou, se não mexerem nas regras para concessão dos benefícios, serão obrigados a se adequar à reforma da Previdência que for aprovada pelo Congresso.
A ideia de estabelecer prazo para que os governos estaduais e municipais façam os seus ajustes será apresentada pelo governo como emenda à proposta de reforma da Previdência. "Trata-se de uma ideia vinda da própria Câmara, para oferecer mais responsabilidade fiscal e para que os próprios governadores possam ter condições de argumentação junto às Assembleias Legislativas de seus respectivos Estados", afirmou o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy.

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse que "juridicamente" esta é uma solução viável. "Fica para os Estados e municípios a decisão de adotar ou não um regime diferente daquele da União", argumentou Oliveira. "Cada um terá de tomar a sua própria iniciativa."

DEMOGRAFIA DO BRASIL IMPÕE MUDANÇAS NO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Milhões de brasileiros poderão ficar sem aposentadoria em breve, mesmo tendo contribuído ao longo da vida inteira, na esperança de uma velhice com dignidade e segurança financeira. Esse quadro assustador, segundo o governo, se tornará realidade caso o sistema previdenciário continue nos moldes atuais.

Por isso, a proposta do Executivo é mudar as regras. A medida, que veio personificada na proposta de reforma da Previdência, agradou ao mercado financeiro, mas provocou a ira de vários segmentos da sociedade. É natural que haja opiniões contrárias e favoráveis diante de um tema tão abrangente, mas, sobre o aspecto demográfico, não existem divergências: é fato inconteste que a população brasileira está envelhecendo.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) constata que o número de idosos tem aumentado a cada ano, ao contrário do de adultos em idade ativa. Isso significa mais gastos previdenciários com benefícios e aposentadorias e, em contrapartida, menos arrecadação. Em outras palavras, a conta não fecha.

O presidente do Instituto de Política Econômica Aplicada (Ipea), Ernesto Lozardo, observa que, em 1940, a expectativa de vida do brasileiro era de 45 anos, muito influenciada pela alta mortalidade infantil. Em 2016, saltou para 75,5 anos e deve chegar a 81,2 em 2060. Enquanto isso, a taxa de fecundidade tem caído de seis filhos por mulher, em 1940, para 1,5 no ano passado. Em 2015, o IBGE contou 16,1 milhões de idosos com 65 anos ou mais no Brasil. O número, de acordo com projeção do instituto, deve mais que triplicar e chegar a 58,4 milhões em 2060.

Diante de um cenário de mudanças no perfil demográfico e socioeconômico, o presidente da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), Edson Franco, acredita que o atual modelo de Previdência Social é insustentável e exige correções de curto e de médio prazos. “A reforma da Previdência representa um pilar fundamental para o desenvolvimento de todos os setores da economia. O país não terá um regime fiscal responsável sem resolver essa questão. E, sem um regime fiscal responsável, o país não alcançará a esperada retomada do crescimento econômico”, disse.

A PEC 241 NÃO É PARA EQUILIBRAR AS CONTAS PÚBLICAS

Deputados celebram a aprovação da PEC 241
Não há desequilíbrio fiscal estrutural, crônico e agudo, nas contas do setor público. Algo que exigiria uma medida drástica: uma mudança na Constituição que deve vigorar por muitos anos. Mas o governo e seus seguidores mentem e dizem que existe. A propaganda mentirosa auxilia aqueles que precisam de uma mentira para repetir e convence os ingênuos que pensam que o governo deve funcionar de forma semelhante à economia doméstica.

Primeiro, mentem dizendo que o governo federal tem déficits anuais e dívidas acumuladas exorbitantes. Em seguida, sugerem que o governo é igual a uma família. Quando endividada, cortaria despesas. Então, precisaríamos de uma regra para impedir o aumento dos gastos públicos. Igualzinho a uma família: algum sacrifício hoje para colher os frutos da tranquilidade amanhã. Por fim, jogam a isca: a Proposta de Emenda Constitucional 241.

A PEC 241 estabelece uma regra de teto para os gastos primários do governo federal. A regra é que os gastos primários de cada ano somente poderão aumentar de acordo com a inflação passada (medida pela variação do IPCA acumulada em 12 meses até junho do ano anterior). E essa regra deverá vigorar por 20 anos.

O governo faz dois tipos gastos: os primários e o pagamento de juros da dívida pública. Os primários são os gastos com saúde, educação, assistência social, cultura, defesa nacional etc. Excetuando os dois últimos anos (2014 e 2015), os diversos governos fizeram superávit no orçamento primário. Sempre gastaram menos do que arrecadaram. Em todos os anos, sem exceção.

A tabela mostra que, no período 2003-2013 (11 anos), o setor público fez despesas primárias em valores sempre inferiores às suas receitas. Portanto, fez superávit. Mostra que somente existe déficit orçamentário porque as despesas com o pagamento de juros da dívida pública são elevadíssimas. Esse é o motivo do nosso déficit orçamentário.

Não precisa ser economista, especialista em contas públicas, para perceber que o que faz o déficit orçamentário são as despesas com o pagamento de juros da dívida pública. Se dependesse dos gastos somente nas áreas que fazem o gasto primário sempre haveria superávit orçamentário, exceto em conjunturas específicas.

QUANTOS EMPREGOS CUSTA A LAVA JATO?

A economia brasileira teve agudo desemprego em 2015 e 2016. Os principais motivos foram as políticas econômicas equivocadas e os efeitos malignos da operação Lava Jato. Hoje, temos mais que 12 milhões de desempregados, segundo o IBGE.

A queda abrupta das atividades da Petrobras e das empreiteiras envolvidas pela operação, nos últimos anos, fechou direta ou indiretamente inúmeros postos de trabalho na indústria e na construção civil. São quase 3 milhões de trabalhadores demitidos nesses dois setores, em 2015 e 2016

Algumas consultorias divulgaram estudos que avaliam que do resultado negativo do PIB de 3,8% em 2015 e de 3,6% em 2016, estima-se que a operação é responsável por entre 2 e 2,5 pontos percentuais da queda de cada ano. Em outras palavras, se não fosse a Lava Jato, a recessão de cada ano teria sido algo em torno de 1,5%.

A Petrobras faz investimentos que representam 2% do PIB e o conjunto das empreiteiras envolvidas pela operação fazem investimentos da ordem de 2,8% do PIB. A influência dessas empresas sobre o resultado econômico global é significativo. Os investimentos como proporção do PIB que já alcançaram 19,5%, em 2010; hoje estão em 16,4%.

É preciso separar os efeitos da Lava Jato sobre o desemprego daqueles decorrentes das políticas inadequadas de ajuste fiscal e de outros vetores. É importante quantificar a magnitude do desemprego causado exclusivamente pelos efeitos malignos da operação.

A Lava Jato não causou somente efeitos malignos diretos, tais como na empreiteira OAS que tinha 120 mil trabalhadores e, hoje, tem 30 mil, ou sobre a Engevix, que tinha 20 mil empregados e, agora, possui somente 3 mil. Nem causou efeitos negativos somente reduzindo a oferta de vagas de trabalho na construção civil e na indústria.

Os efeitos da Lava Jato começam nas empresas envolvidas pela operação, mas se espalham por toda a economia chegando até o mercado informal de trabalho (por exemplo, quando o desempregado egresso da OAS dispensa os trabalhos da sua diarista). Excluindo os efeitos econômicos negativos da operação, podem ser feitas as seguintes estimativas:

1) A taxa de desemprego no fim de 2016 não teria sido 12%, mas estaria entre 8 e 9%.

2) O número de desempregados, em dezembro de 2016, não teria sido de 12,3 milhões de trabalhadores, mas seria algo entre 8 e 9 milhões.

3) Portanto, os efeitos negativos da operação Lava Jato podem explicar o desemprego de cerca de 3 a 4 milhões de trabalhadores.

JANOT COGITA PEDIR AFASTAMENTO DE GILMAR MENDES DE JULGAMENTOS NO STF

Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), e Rodrigo Janot, procurador-geral da República, quebraram o pau nos últimos dias, por causa da Operação Lava Jato.

O próximo round já está à vista, caso Janot leve adiante algo que tem dito internamente na Procuradoria. Está decidido a pedir ao STF que tire Mendes de certos julgamentos, por falta de imparcialidade do ministro.

A chamada “arguição de suspeição” é uma ação apresentada perante a presidência do STF e, caso seja admitida por esta como válida, é submetida à decisão do plenário da corte em uma sessão secreta.

Se quiser, Janot possui um arsenal para argumentar ao STF que sobra parcialidade a Mendes em processos da Lava Jato, o motivo da briga deles. É escandalosa a intimidade do ministro com Michel Temer, chefe de um governo repleto de alvos da Lava Jato e ele mesmo um presidente prestes a ser julgado por um tribunal eleitoral comandado por Mendes, o TSE.

Convertido em um espécime anti-Lava Jato desde o impeachment de Dilma Rousseff, Mendes quer paz para seus protegidos e aproveita qualquer ocasião para atacar Janot e a força-tarefa de Curitiba.

Quem levará a melhor na luta pelo “tribunal da mídia”? Janot e a Lava Jato ou Gilmar Mendes e seus amigos políticos em Brasília? Desta resposta depende o futuro da operação e do Brasil.

27 de março de 2017

DURANTE PROTESTO EM NATAL, PMS COBRAM CUMPRIMENTO DE ACORDO COM GOVERNO

Policiais militares do Rio Grande do Norte realizam um protesto, na tarde desta segunda-feira (27), em Natal. Eles saíram em caminhada do Alecrim com destino ao Centro Administrativo, onde irão realizar assembleia em frente à Governadoria. Os PMs protestam por valorização profissional e cobram o cumprimento de uma pauta de revindicações.

Os policiais militares e também os bombeiros militares cobram do governo do estado o cumprimento de acordo feito no dia 14 de fevereiro. Na pauta consta o encaminhamento da Lei de Organização Básica (LOB), a retirada da mensagem 118 (reforma da Previdência Estadual), o reajuste das diárias operacionais de R$ 50,00 para R$ 120,00 por seis horas trabalhadas e a equiparação salarial do coronel com o delegado geral da Polícia Civil (modificando toda a pirâmide salarial).

Além disso, os militares protestam para que o governo pague retroativos das promoções referentes a dezembro de 2015 e abril de 2016.Os policiais e bombeiros esperam ser recebidos pelo Governo do Estado e, depois, haverá uma assembleia com os presentes para definir os próximos passos da movimentação, dependendo das propostas concretas apresentadas pelo Governo.

RIO GRANDE DO NORTE CHEGA AOS 565 ASSASSINATOS NO ANO

Dezoito pessoas foram mortas no Rio Grande do Norte neste final de semana, segundo o Observatório da Violência Letal Intencional (OBVIO/RN). O boletim da entidade divulgado nesta segunda-feira (27) deu conta de que 565 assassinatos foram registrados no estado neste ano.

O total de crimes representa um aumento de quase 30% na quantidade de mortes em comparação com mesmo período de 2016. O levantamento da entidade mostra que os casos registrados neste fim de semana foram em dez diferentes municípios potiguares.

“Os dados apontam para um aumento de 26,97% em relação a 2016. Os dados absolutos demonstram 120 mortes violentas a mais que no ano passado no mesmo período. Em 2016, até o mesmo período, foram 445 CVLIs, contra 390 em 2015”, detalha o Observatório.

Dentro desse quadro, a segunda maior cidade do estado, Mossoró, na região Oeste, já figura com 54 assassinatos em 2017. Somente neste final de semana foram duas mortes registradas.

SENADOR E DEPUTADOS SÃO CITADOS EM DELAÇÕES SOBRE DESVIOS NO IDEMA/RN

Um senador da República e dois deputados federais do Rio Grande do Norte foram citados em delações premiadas celebradas entre o Ministério Público Federal, o Ministério Público potiguar, o ex-diretor administrativo do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema) e uma professora universitária.

As citações são relativas ao esquema de desvios dentro do Idema que resultou na deflagração da operação Candeeiro, em setembro de 2015. As delações, que ainda estão sob sigilo, foram homologadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux em 3 de março passado.

Luiz Fux lembra, no documento, que a Operação Candeeiro investigou “esquema de corrupção desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro no âmbito do Idema”. O texto da homologação não traz os políticos citados por Gutson Reinaldo e Vilma Rejane nas delações, mas o ministro esclarece que “em face da menção dos colaboradores ao envolvimento de parlamentares federais, especificamente dois deputados federais e um senador, nos fatos delituosos, configura-se a competência do Supremo Tribunal Federal para a homologação dos acordos”.

WENDELL BEETOVEN:'POR POUCO NÃO FIQUEI TETRAPLÉGICO'

“Estou na UTI, ainda muito mal, com um pulmão perfurado e costelas quebradas. O projétil passou raspando na coluna vertebral. Escapei de morrer e por pouco não fiquei tetraplégico”. O relato é do próprio paciente. No caso, o promotor público Wendell Beetoven Ribeiro Agra, que falou por meio do seu WhatsApp.

Beetoven foi baleado nas costas durante um atentado ocorrido na última sexta-feira (24) dentro da sede do Ministério Público do Rio Grande do Norte, em Natal. O procurador-geral adjunto de Justiça Jovino Pereira Sobrinho também foi atingido. Ambos passaram por cirurgias e se recuperam dos tiros que levaram. O atirador está preso. É o servidor público Guilherme Wanderley Lopes da Silva, de 44 anos, que se apresentou à polícia no sábado (25). Exonerado do cargo comissionado, ele trabalhava no MP há 20 anos.

PREJUÍZO NA CARNE DEVE SOBRAR PARA O CONTRIBUINTE

Empresas banidas do mercado mundial de carnes, como consequência da Operação Carne Fraca, não vão deixar barato o prejuízo bilionário com a perda de clientes. E vai sobrar para vítimas que nada têm com isso: os contribuintes.

A decisão, ainda não admitida publicamente, é exigir do governo do Brasil, na Justiça, reparação de danos que podem chegar anualmente a US$ 14 bilhões, equivalentes a R$ 40 bilhões. Só nos dez primeiros dias, o prejuízo apurado chega a quase meio bilhão de reais, segundo levantamento de entidades como a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (ABIEC) e a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Por outro lado, o “pente-fino” que o Ministério da Agricultura está fazendo nos 21 frigoríficos alvos da operação Carne Fraca, da Polícia Federal, já resultou na interdição de cinco deles. O número pode crescer, já que as auditorias só deverão ser concluídas em duas semanas. Esse dado deverá constar de um balanço que o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, pretende apresentar hoje.

MINISTÉRIO PEDE QUE A CANTORA CLÁUDIA LEITE DEVOLVA R$ 1,2 MILHÃO AOS COFRES PÚBLICOS

O sócio-administrador da produtora Ciel, Claudio de Oliveira Inácio Junior, será ouvido na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Lei Rouanet. Em outubro de 2016, a empresa teve rejeitada a prestação de contas de um projeto de shows da cantora Claudia Leitte, pelo Norte, Nordeste e Centro-Oeste, que havia sido autorizado a captar recursos via Lei Rouanet.

O Ministério da Cultura pede que a cantora devolva R$ 1,2 milhão aos cofres públicos, dinheiro captado por meio da Lei Rouanet. O ministério alega que a produtora não cumpriu regras legais de distribuição e venda de ingressos. O escritório de advocacia que representa a produtora, no entanto, afirma que todos os eventos foram realizados e podem ser comprovados. A audiência foi realizada a partir das 14h30, a pedido do relator da CPI, deputado Domingos Sávio (PSDB-MG).

EMPRESÁRIO MARCELO ODEBRECHT DIZ QUE TODOS OS CANDIDATOS RECEBERAM NO CAIXA 2

O empresário Marcelo Odebrecht, ex-presidente e herdeiro do grupo que leva seu sobrenome, disse em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no início de março, que o financiamento ilegal de campanhas é tão comum no País que inclui todos os candidatos eleitos. “Duvido que tenha um político no Brasil que tenha se eleito sem caixa 2. E, se ele diz que se elegeu sem, é mentira, porque recebeu do partido. Então, impossível”, afirmou.

As declarações constam do depoimento prestado na ação que apura abuso de poder político e econômico pela chapa Dilma Rousseff-Michel Temer nas eleições de 2014. Naquele ano, além da então presidente, 1.626 pessoas conseguiram votos para ocupar os cargos em disputa.

No caso da Odebrecht, o empreiteiro pontuou que, dos recursos disponíveis para campanhas, 75% eram pagos fora do sistema oficial. “Caixa 2, para a gente, e eu acho que para todas as empresas, era visto como natural. Os valores definidos pelos candidatos eram tão aquém do que eles iam gastar que não tinha como a maior parte das doações não ser caixa 2. Era impossível”, declarou ao TSE

O empreiteiro afirmou que, ao acertar propinas com parlamentares ou ocupantes de cargos executivos, o valor podia ser pago nas eleições tanto como doação oficial, o “caixa 1”, quanto por fora. Mas ponderou também que parte dos valores do chamado caixa 2 não foi destinada a campanhas com uma “contrapartida específica”
.